`
Sentry Page Protection

#6 [Material de apoio] Corpo & Mente

Corpo físico, saúde mental: dois mundos opostos, mas pelos quais precisamos lançar, diariamente, um olhar atencioso, carinho e de zelo.

Nascemos ouvindo que há algo de errado com essa pele que habitamos: ou somos gordas demais ou magras demais; Temos celulite, estrias, flacidez; O cabelo não tá na moda e o rosto precisa de intervenções cirúrgicas pra ficar nos trinques. Mais boca, menos bochecha. Estamos constantemente sofrendo com as pressões estéticas. Algumas de nós, sofrem com opressões ainda mais profundas — como é o caso da solidão da mulher negra e da gordofobia.

Como podemos, então, cuidar de um corpo que ainda não amamos completamente ou que estamos no processo de amar?

Do outro lado, temos a mente. Esse universo sutil tão pouco valorizado, visto e acolhido. É abstrato, dizem, e por isso não merece a atenção devida — a não ser quando a bomba estoura. E aí, quando problemas mais sérios já estão instaurados (depressão, síndrome do pânico, crises de ansiedade), é preciso passar por outro obstáculo: o estigma relacionado às pessoas que sofrem por transtornos psicológicos. A impressão que fica é que não tempos para onde correr: estamos inseridas numa sociedade estruturada para adoecer física e mentalmente mulheres. O machismo, o patriarcado e a misoginia são instrumentos potentes e bem enraizados de todo um aparato de controle e dominação.

Eis a cartada na manga: quando lançamos a carta do autocuidado, principalmente para nosso corpo e para nossa mente, estamos dizendo não a tudo que nos foi imposto.

Não somos loucas. Não precisamos a todo custo do creme anti-envelhecimento da prateleira da farmácia.

O que precisamos, é abrir o coração e perceber o que, de fato, nosso corpo e mente nos pedem. Podem ser pequenas coisas, rotinas de relaxamento e espaços de respiro, mas, provavelmente, há mais: o que sua mente necessita para que a médio e longo prazo você consiga ser flexível às intempéries (que acontecem, inevitavelmente), mas também estar firme na própria base? O que seu corpo susurra de demanda mais genuína para que vocês se vejam mais como parceiros e menos como uma carapaça que precisa ser ajustada o tempo todo?

As perguntas que podem surgir dessa investigação são das mais variadas — e únicas. Por isso, o que sugerimos é que a gente mergulhe em conteúdos que podem fazer essa estrada se alargar à nossa frente.

Aqui vão as indicações da semana:

***

Para ler

A redoma de vidro, de Sylvia Plath, traz muitas questões de Esther, a personagem, e retrata as preocupações de uma geração pré-revolução sexual, em que as mulheres ainda precisavam escolher se priorizavam a profissão ou a família. Além da elegância da prosa de Plath, o livro extrai sua força da forma corajosa como trata a doença mental.

Demônio do meio-dia, de Andrew Solomon, uma referência para depressão, entre leigos e especialistas;

Estética e Saúde, de Marília Coutinho, e que traz leituras sobre a linha tênue entre estética e saúde

Nas redes

O Instagram de Aline Ramos, uma das nossas entrevistadas para a dimensão de Relações, e que está enfrentando, agora, uma depressão e tem compartilhado seus dias lá na rede social.

O perfil de Mirian Bottan e da Alexandra Gurgel também é inspirador para quem está no caminho de autocuidado e amor com seus próprios corpos.

Para ouvir

Episódio do podcast do Mamilos sobre depressão e a série Viva seu Corpo.

***


Gabrielle Estevans é jornalista, editora de conteúdo e coordenadora de projetos com propósito. Nessa trilha, é editora-chefe, participante e caseira. 


A nossa conversa segue sempre no fórum:

faça login para ver a conversa e se conectar direto ao tópico de finitude.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair