`

Equilíbrio e acolhimento em tempos de conflitos eleitorais.

Abrimos um espaço para conversarmos sobre como estamos em meio aos caos político das eleições 2018 e buscarmos apoio umas nas outras.

Este encontro surgiu pois a cada dia nos deparamos com mais relatos de mulheres tristes, ansiosas e angustiadas com o momento que estamos vivendo. Diante disso, nos perguntamos: Como podemos seguir? Como podemos nos cuidar para seguir resistindo e existindo?

O primeiro encontro foi uma conversa aberta e franca sobre o que estamos sentindo. Confira o registro do encontro em áudio:

A nossa conversa segue sempre no fórum:

faça login para ver a conversa e se conectar direto ao tópico sobre equilíbrio e acolhimento em tempos de conflitos eleitorais. o fórum é uma das ferramentas disponíveis para assinantes.

Não leia apenas o título, eles podem induzir ao erro

Não leia apenas o título, eles podem induzir ao erro

Qquando o conflito é baseado em estereótipos e caricaturas ele se torna mais problemático. Nesse sentido essa caricaturização, esse processo de transformação do discurso alheio em estereótipo, que envolve os dois lados do espectro político, tanto a direita em relação à esquerda e a esquerda em relação à direita, é problemático. Enfraquece a democracia porque enfraquece nossa possibilidade de conviver com o outro que é diferente da gente.

Em momentos de confusão, é nossa responsabilidade qualificar o debate de gênero.

Em momentos de confusão, é nossa responsabilidade qualificar o debate de gênero.

Estamos cada vez mais distraídos: o mar desvairado das redes sociais, uma copa do mundo que se aproxima e campanhas eleitorais comandadas por robôs da web, fake news, memes e áudios de whatsapp que se reproduzem como vírus resilientes desenvolvidos em laboratório. Qual é a nossa responsabilidade em um cenário como esse?

Precisamos parar de despolitizar a política e voltar a conversar sem romper vínculos: será que conseguimos?

Precisamos parar de despolitizar a política e voltar a conversar sem romper vínculos: será que conseguimos?

Talvez a gente precise reaprender a conversar - e a usar a internet para falar de política sem causar rupturas de vínculo e afeto. Sem querer convencer o outro de que a nossa opinião é a certa, sem revirar os olhos quando formos confrontados com uma escolha radicalmente diferente da que faríamos.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair