`

10 Dicas práticas para tornar o mundo menos gordofóbico

Você não precisa ser uma blogueira Plus Size ou uma militante anti-gordofobia para ajudar a fazer deste mundo um lugar melhor para todos. Com este pequeno guia, tentei mostrar que podemos fazer a diferença com pequenas mudanças de atitude em nosso cotidiano. Obviamente, isto é apenas o começo, você pode encontrar outras maneiras de combater a gordofobia que não estão nesta lista.

1. Não fiscalize

Não fique analisando o que a sua colega gorda bota no prato, não recrimine se ela optar por adoçar o café com açúcar. Não sugira um tipo de exercício ou uma dieta nova para ela perder uns quilinhos. Não finja que você conhece o histórico médico da sua amiga gorda. Mesmo que você conheça, não cabe a você tomar decisões por ela. Todas as pessoas precisam de autonomia para decidir o que acham melhor para si mesmas.

2. Gorda não é ofensa

Vamos sair dessa eterna quinta série, né, amigos? Gorda não é ofensa, é um biotipo. Não existe nada pejorativo em ser gordo, é um adjetivo que não expressa qualquer tipo de carga moral, nem determina falha de caráter e não é desabonador em nada. A pessoa é uma babaca? Não tente ofendê-la ressaltando seu tipo físico, apenas chame-a de babaca (do contrário, você será tão babaca quanto ela ou pior).

3. Evite expressões gordofóbicas

"Gordice”, “cabeça de gordo”, “baleia”, “vaca”, “gorda ridícula”, “pensar magro”, “ela é uma gorda bonita”, “você tem um rosto lindo” e etc. Estas são algumas expressões que mostram desde as formas mais óbvias às mais veladas de gordofobia. Combater a gordofobia a partir da linguagem é uma estratégia que empodera pessoas gordas, mas também muda a pessoa que deixa de proferir as ofensas. Deixar de ser preconceituoso não acontece da noite para o dia e exige algum grau de autocontrole.

4. Pense em espaços e produtos que atendam as pessoas gordas

Se você pensa em abrir um negócio, se é um empresário, pense se o seu produto serve também às pessoas gordas. Você vende roupas? Até qual numeração? Você fabrica cadeiras de plástico? Elas aguentam quantos quilos? Ou se você tem um restaurante, uma lanchonete, seus espaços de circulação, suas mesas e cadeiras são adequados para pessoas gordas? É possível para uma pessoa gorda fazer uso do seu ambiente sem se sentir constrangida? Essa dica se estende à acessibilidade de pessoas idosas ou com deficiência. Seu espaço está preparado para receber pessoas com diversidade funcional? 

5. Empregue pessoas gordas

Não julgue que alguém é incompetente, relaxado ou doente porque é gordo. Já tivemos notícias de gordofobia institucionalizada na secretaria de educação de São Paulo. E, é claro, muitas pessoas são preteridas em empregos privados por causa da gordofobia. As mulheres principalmente, pois em geral exige-se delas “boa aparência”, numa sociedade racista e gordofóbica, isto é eufemismo para ser branca e magra. Então, se alguém tem as atribuições necessárias para ocupar um cargo, não deixe de contratá-la apenas porque ela é gorda.

6. Não critique a forma como as pessoas gordas se vestem

Sabe aquele shopping cheio de lojas com todo tipo de estilo e preço que você imaginar? Ele não tem nenhuma roupa tamanho 54 à venda. Lembre-se disso quando resolver criticar a roupa da sua amiga gorda. Acima de tudo, tente não impor regras como “não pode branco”, “não pode braço de fora”, “não pode justo”, “não pode largo”. Não tente diminuir a liberdade de ninguém ao se vestir, primeiro porque a pessoa pode não ter tantas opções quanto você e segundo porque muitas vezes é preciso bastante coragem para botar um braço de fora, um top curtinho, uma saia curta que deixa de fora as celulites.

7. Não estereotipe a sexualidade das mulheres gordas

Não, ela não é um dos caras. Mulheres gordas não são homens, são mulheres, com desejo, com sexualidade, com vontade de trepar, talvez contigo até. Ou não. Também não vá achando que mulher gorda é fácil, que é só chegar que tá facinho e tampouco trate mulher gorda como prêmio de consolação (não fiquei com ninguém, vou chegar naquela gorda ali”). A mulher gorda não vai se esforçar mais na cama para agradar, ela não é mais carente que as outras mulheres. Mulher gorda é mulher. Pode ser que ela esteja carente, pode ser que esteja só curtindo, pode ser que não queira você nem para amigo(a). Então não assuma que as mulheres gordas, enquanto grupo, possuem uma sexualidade parecida, passe a vê-las enquanto indivíduos.

8. Não tenha vergonha de se relacionar com uma mulher gorda

Torne seu relacionamento público, chega de namoros às escondidas. Apresente sua namorada para a sua família e seus amigos, deixe que todo mundo veja porque você a ama. Chega de tratar a mulher gorda como um “estepe”.  Confronte as críticas. Seja firme. 

9. Não ria das pessoas gordas

Ser gordo é um biotipo, tanto quanto ser magro. O que há de engraçado afinal? É engraçado porque a pessoa gorda às vezes anda de um jeito diferente? Porque o corpo balança mais? Afinal, qual é a graça que eu não sei? As pessoas gordas não são ridículas, elas não estão aqui para fazer rir, elas não tem que ser divertidas para compensar nada. E humor gordofóbico é só mais uma forma de humor preguiçoso de quem não consegue se reinventar.

10. Não dê ibope para programas gordofóbicos

Sabe aquela novela com a personagem gorda, virgem, carente e sem personalidade? Não assista. Sabe aquele programa que diz que existe uma “medida certa” e faz as pessoas enloquecerem em nome de uma “vida saudável”? Não assista. Sabe aquele programa em que a pessoa que perde mais peso ganha? Não assista. Ou quem sabe aquele reality show que só aceita gente branca e magra? Passe longe. Primeiro, porque estes programas só ajudam a propagar estereótipos gordofóbicos, não dê audiência para este tipo de conteúdo. E segundo, porque você também vai se tornar uma pessoa mais confiante quando não estiver tão preocupado assim com a sua aparência, pois vamos falar a verdade? Nenhum destes programas é sobre saúde, tudo é sobre estética. Não é sobre ser saudável é sobre parecer saudável. Não estou vendo nestes programas aquelas pessoas magras que só comem porcaria e são mais sedentárias que eu. Estas pessoas não são alvo deste tipo de programa, ao contrário, de vez em quando aparece uma modelo dizendo que “come de tudo” e todo mundo acha lindo. Então, eu sugiro não dar audiência para a hipocrisia.

P.S.: Muito obrigada à amiga Jarid por me ajudar a formular esta lista. Aprendo tanto com você!


Texto publicado originalmente no tumblr Nefelibata.


Gizelli Sousa é feminista e blogueira, escreve sobre gordofobia no tumblr Nefelibata e sobre séries no site Apaixonados por séries.

 

Gizelli Sousa

Feminista e blogueira, escreve sobre gordofobia no tumblr Nefelibata  e sobre séries no site Apaixonados por séries.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair