`

9 artigos de mulheres incríveis sobre a política nacional que você não pode deixar de ler

É só o que se fala. E não é pra menos.

A mídia tradicional, independente e as redes sociais estão cheias de conteúdos e opiniões sobre a conjuntura da política do país. Críticas, previsões, notícias imparciais e outras bem, mas bem parciais.

Pra quem está perdido no mar desvairado da web e de noticiamentos sem fim, aqui vai uma curadoria esperta de artigos que devem ser lidos se você quiser ter uma perspectiva ainda mais crítica do que está acontecendo na política.

A grande diferença: são todos escritos por mulheres incríveis, com um viés feminino das movimentações em Brasília sobre questões sociais ligadas aos direitos das mulheres.

Segura essa.

1. A Celebração da Misoginia

Texto da Débora Diniz, antropóloga, professora da Faculdade de Direito na Universidade de Brasília e documentarista. Tem pesquisas sobre saúde, mulheres e prisão.

"Há uma diferença entre não existirmos no couro, no sexo ou no pensamento, e não existirmos para a política. Há mulheres e homens negros na política, competentes e sensíveis para enfrentar a crise política que o País enfrenta. Eles só não existem para o governo da vida que hoje se fez presidente do País."

2.  A política não veste saia

Texto da Thais Viyuela, estudante de arquitetura e fotógrafa.

"O sentimento é de que o ministeriado de Temer dará prosseguimento ao jogo desses homens brancos, sujos, já velhos de guerra. Uma guerra construída por eles."

3. Podemos usar faixa de miss ou de presidente

Texto da Stephanie Ribeiro e Manoela Miklos pro #AgoraÉQueSãoElas. Stephanie Ribeiro é feminista negra e graduanda em arquitetura. Manoela Miklos é doutora em Relações Internacionais e ativista feminista.

"No Brasil, as mulheres são maioria na população, ocupam cada vez mais espaços de destaque no mercado de trabalho e atualmente são responsáveis pelo sustento de 37,3% das famílias brasileiras. Somos mais da metade dos eleitores brasileiros. Entretanto, como ficou evidente na votação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, somos minoria na casa. São 45 deputadas para 468 homens, ou seja, apenas 10% do total são mulheres."

4. Elas são lindas quando estão bravas

Texto da Jornalista Nana Soares sobre o documentário She's beautiful when she's angry, recém lançado no Netflix. Imperdível.

"Poderia ser um documentário sobre o passado dos EUA, mas não quando os direitos das mulheres ainda são questionados e relativizados. Lá, o direito ao aborto está ameaçado. Aqui, o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos deve ser extinto e nenhuma outra Pasta deve ser comandada por uma mulher."

5.  O verdadeiro problema com o impeachment de Dilma Rousseff (em inglês)

Texto da Claire Rigby, jornalista focada em política que escreve para veículos estrangeiros como o The Guardian e o Los Angeles Times.

"Com razão, a lista dos ministérios do Temer, resultado de semanas de discussões por detrás das cenas, parece mais do que nunca uma de um país Europeu do sul do que a de um país grande, racialmente e socialmente diverso da América Latina, como é o Brasil."

6. O novo governo se mostrou insuficiente para acolher e proteger as mulheres

Entrevista com a Débora Diniz, feita por Thais Lazzeri pra Época.

"A desigualdade brasileira tem três grandes marcadores para exercícios da cidadania: a renda, o gênero e a cor. Olhe para os novos ministros. O que você vê? Homens, heterossexuais e brancos. O novo governo se mostrou insuficiente para acolher e proteger as mulheres. O novo governo silencia a voz da mulher."

7. Entra Temer, as mulheres saem

Texto da Patrícia Zaidan, jornalista e psicóloga.

"Na CBN, o âncora Carlos Alberto Sardenberg perguntou ao comentarista Merval Pereira o que ele tinha achado do “discurso agressivo” de Dilma. Merval concordou que fora “muito agressivo”. Queriam o quê? Choro? Mimimi? Na boca de um macho, teria sido considerado um discurso corajoso, altivo, assertivo, contundente e de autodefesa."

8. O que os Ministérios do Temer dizem sobre o nosso machismo

Por último, texto meu aqui pra Comum, sobre o que os Ministérios de privilegiados dizem sobre o machismo do nosso dia a dia.

"Não basta chegar lá. Se o microfone está na mão de uma mulher, tudo o que ela diz é passível de ser refutado, subestimado, desvalorizado - pelos motivos errados. Ou ela fala demais, ou de menos. Ou não sabe o que fala. Não tem pulso firme e portanto não merece estar ali. Quando se impõe, fala alto, bota a banca, é louca, desvairada, agressiva. É menos mulher, é macho."

9. O Canadá não é aqui

Texto da jornalista Nana Soares sobre as primeiras mudanças do governo Temer e os impactos delas pras mulheres.

Para contrastar a nossa situação e escancarar o nosso atraso, basta lembrar de quando o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau compôs seu gabinete. Metade dos cargos eram ocupados por mulheres e, quando questionado por jornalistas sobre o porquê de ter feito isso, Trudeau respondeu: "Porque é 2015". Já é 2016, mas infelizmente o Canadá não é aqui. Aqui ainda é 1974.

É isso. Independente do que acontecer daqui pra frente, seguimos juntas.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair