`

Pai, a maneira que você se relaciona com a sua filha vai ensinar a ela o que buscar em um homem

Esse é um texto para pais. Mas é um texto que também é importante ser lido por mães. É um texto que vai te contar algo que, no fundo, você já sabe: nossos filhos aprendem com a gente o que é o amor.

Eu tenho dois filhos. Dois meninos. E demonstro a eles todo o amor que sinto por meio de carinho, conversas e respeito. Luto comigo mesma para não estourar, não gritar, não agredir com palavras – já que agredir fisicamente não é nem de longe uma possibilidade – e quando há um deslize fico mil vezes mais atenta para não justificar aquilo como amor. Eu não gritaria com eles porque os amo, eu gritaria porque eu, adulta, perdi o controle. Eu posso não ter gostado do que eles fizeram porque os amo e quero o melhor para eles, mas minha reação não teria nada a ver com amor.

Quando pais gritam com as filhas, as agridem verbalmente e fazem com que elas se sintam sempre incapazes e em dívida. Eles estão mandando uma mensagem bem clara ao cérebro dessas meninas: agressão é amor. E elas, inconscientemente, guardam isso como uma verdade.

Anos mais tarde essa menina vai se apaixonar. E ao ver um homem gritando com ela, a ameaçando e fazendo com que ela se sinta péssima não vai conseguir ler esse comportamento como algo problemático. Ela vai lembrar do pai. E quem poderia nos amar mais do que nossos pais? Pois então ela vai achar que tudo aquilo é normal, que é assim que as relações são já que é assim que se demonstra amor e preocupação. 

Amor se demonstra com carinho: beijos, abraços, afagos, conversas, respeito, espaço, liberdade. Preocupação se demonstra com limites, conversas e argumentos. Gritos, assédio moral, agressões físicas e verbais demonstram apenas desequilíbrio e abuso. E tudo isso é registrado pelo nosso cérebro desde muito bebês e só vai se fortalecendo pelo resto da vida.

Uma mulher que sempre teve como modelo de relacionamento e amor um situação abusiva não vai conseguir enxergar na relação abusiva que está um problema.

Os pais vão enxergar, vão se incomodar, vão questionar como ela consegue viver daquele jeito e ela não vai saber explicar em palavras, mas a explicação está aqui: eduque suas filhas com amor e elas não cairão nas garras de homens abusadores – e se caírem terão condições de se reerguer.


A assinatura mensal da Comum dá acesso a parte fechada, que inclui as trilhas, o fórum, encontros só pra comunidade (on e offline) e desconto em encontros abertos ao público. Você pode pagar R$40/mês ou financiar uma mina que não possa pagar, com R$80/mês. Saiba mais aqui.


Texto publicado originalmente no Yahoo!


Carol Patrocinio é jornalista e divide seu tempo entre escrever para diversas publicações sobre assuntos relacionados ao mundo feminino e ao feminismo, como o Ondda, seu canal no Medium e consultorias para negócios que querem falar com as mulheres.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair