`
Sentry Page Protection

#1 Sexualidade: construções internas e relações

Se alguém te perguntasse como foi construída a sua sexualidade, você saberia responder? A maioria das pessoas precisaria de um tempo para pensar. Quem se identifica como hétero teria ainda mais dificuldade. Por quê? Simplesmente porque somos levados a não questionar, a não olhar para dentro e a andar na linha – quem é homo ou bissexual precisa questionar algumas coisas para encontrar sua orientação. Mas tem algum problema nisso?

Nem sempre, mas pode ter um daqueles problemas que a gente nem enxerga – mas que assim que se torna visível a gente não entende como viveu tanto tempo sem resolvê-lo! Olhar para a sexualidade não é mudar quem somos ou em que acreditamos, é entender quem somos nós, o que faz parte dessa construção, o que estamos ignorando, conhecer mundos diferentes (internos e externos) e ainda aprender a olhar para o mundo por ângulos que nunca pensamos serem possíveis.

A sexualidade vai muito além do sexo. Ela fala sobre a maneira que nos relacionamos com outras pessoas, sobre como nos colocamos no mundo. Fala sobre nós em diversos sentidos e recortes. E fala, é claro, sobre prazer.

E falando sobre prazer, é importante lembrar que nossa sociedade tem uma relação bastante complicada com ele, ainda mais quando nós somos mulheres. O prazer, porém, é um dos combustíveis da vida – não apenas a sexual – e nós merecemos ter direito a ele.

É por isso que nossa convidada para ser a madrinha desse mês de construção e troca de conhecimentos, vivências e referências é a Psicóloga Junguiana com especialização em abordagem corporal, feminista e estudiosa de gênero, Renata Pazos. Ela explica a trilha dizendo que vamos olhar para a sexualidade pelos mais diversos ângulos:

“Para trás lembrando de quem nos ajudou a descobri-la e o que carregamos até aqui, para dentro percebendo as nossas referências e conhecendo como estamos nos vendo a partir da própria sexualidade, para os lados buscando nas relações como ela se apresenta para o mundo e nas relações, e para cima buscando os símbolos coletivos e sagrados da mulher e sua sexualidade.”

O objetivo é sair desse mês de conteúdo e do encontro presencial com novos significados para todas as sexualidades possíveis: sentindo, refletindo, compartilhando, vivendo e corporificando essa experiência de forma autêntica e individual.

Como de costume, vamos dividir as experiências, dúvidas e angústias no fórum - Trilha #2: Sexualidade | Olhando pra construções internas profundas - e, juntas, seguimos nesse caminho. Vamos lá?


Carol Patrocinio é jornalista e divide seu tempo entre escrever para diversas publicações sobre assuntos relacionados ao mundo feminino e ao feminismo, como o Ondda, seu canal no Medium e consultorias para negócios que querem falar com as mulheres.

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair