`

florescimento humano

#14 Sua autonomia afetiva abraça a autonomia afetiva de outras pessoas?

#14 Sua autonomia afetiva abraça a autonomia afetiva de outras pessoas?

Mas, afinal, será que desejamos também a autonomia afetiva dos outros ou estamos olhando apenas para a nossa? Se olharmos para dentro com honestidade, muitas das vezes não desejamos. E tudo bem. O intuito aqui não é que lancemos mão de mais um peso que temos de carregar nas costas, mas que notemos de onde vem esse sentimento. Esse vídeo da Stela Santin é uma forma bonita de começar. Vamos? 

#13 Estar sozinha e inteira: cultivando a solitude sem medo

#13 Estar sozinha e inteira: cultivando a solitude sem medo

Diante da constante necessidade de buscar a nossa validação no outro, nos deparamos com a questão: como ultrapassar essa necessidade e arranjar meios de construir uma narrativa própria? Como ampliar os nossos espaços de realização e fazer da solitude não um fardo ou um atestado de fracasso, mas uma chance de aprofundar as próprias potencialidades? 

#12 Limites: um ato de amor próprio

#12 Limites: um ato de amor próprio

Muitas vezes a gente trata limites como barreiras que devem ser impostas para evitar violações graves do espaço e até da dignidade do outro. Muitas vezes desconsideramos invasões pequenas e cotidianas que trazem consigo sentimentos ruins, gerando uma sensação cumulativa de negligência. Vamos olhar para isso, juntas, com cuidado?

#11 Responsabilidade afetiva x autonomia afetiva: por que vale mais olhar para dentro?

#11 Responsabilidade afetiva x autonomia afetiva: por que vale mais olhar para dentro?

A escolha de nos responsabilizarmos pelos nossos próprios sentimentos não é uma forma de isentar o outro de tudo que faz, mas sim de tentarmos nos entender e nos aparelharmos para lidar com o que sentimos e, a partir disso, tomarmos decisões. 

#7 Eixo interno: um olhar para nossas necessidades reais

#7 Eixo interno: um olhar para nossas necessidades reais

É fácil olhar para uma pessoa que atende nossas demandas e pensar que ela quer sorrir, viver bem, experimentar a alegria sem tristeza — e ajudá-la nisso. Mas o exercício fica mais complicado quando a pessoa — ainda mais se tivermos com ela em um enlace amoroso — age fora dos nossos protocolos. Mas e se percebermos que todo mundo tem a mesma necessidade de ser feliz? 

#6 Mundo interno: sobre o que estamos falando quando falamos em autonomia afetiva?

#6 Mundo interno: sobre o que estamos falando quando falamos em autonomia afetiva?

Agora que entendemos com mais clareza o que está lá fora, vamos colocar nossa lupa em questões mais individuais, que moram aqui dentro nesse mundo cheio de nuances. Essa nova rodada de conteúdos que começa hoje requer um tempinho mais generoso. Nosso primeiro vídeo com Stela Santin vai tatear o que é mundo interno e autonomia afetiva. Vamos? 

Área de login
Bem-vinda, (First Name)!

Esqueceu a senha? Mostrar
Entrar
Acessar área logada
Meu perfil Não é usuária? Cadastre-se Sair